Carla Ferreira

Carla Ferreira

Chamonix – Mont Blanc

O impressionante Mont Blanc e a pitoresca cidade de Chamonix em plenos Alpes são um encanto para as vistas e para os sentidos. Localizados na França, na região de Auvérnia-Ródano-Alpes, também fazem fronteira com a Itália e Suíça.

Foi por entre vales e montanhas chegámos à cidade que fica criteriosamente encaixada num vale profundo aos pés do majestoso e grandioso Mont Blanc, que se eleva grandiosamente a 4158 metros de altitude e o Brévent a 2550 metros de altitude.

Para chegar o mais próximo possível do Mont Blanc tem de se aceder num enorme teleférico a um local chamado Aiguille du Midi a 3842 metros de altitude, e pelo preço de 61,50€ por adulto e 52,30€ por criança dos 5 aos 14 anos. O pacote Família fica por 190,70€ para quatro pessoas. 

A subida de Chamonix ao Aiguille do Midi é realizada em duas etapas e o percurso todo (se for direto) demora cerca de 15 a 20 minutos. A primeira paragem fica a 2310 metros no Plan de l´Aiguille com umas vistas impressionantes de onde se pode avistar o paredão de escarpas rochosas e o vale de Chamonix. Nesta etapa intermediária do percurso, de onde já se pode ter uma visão deslumbrante do maciço do Mont-Blanc, existe um restaurante, o Refuge du Plan de l’Aiguille e um terraço.     

Subindo mais um pouco, atinge-se a arrojada estrutura do Aiguille du Midi com uma série de atrações, pelo que são necessárias pelo menos três horas para explorar o local. Uma estrutura montada no topo, a 3842 m, descomunal e que surpreende pela quantidade de pontos de observação, terraços, elevadores e escadarias de ferro.

As atrações são, um tubo de ferro suspenso a milhares de metros acima da geleira permite a passagem por dentro do cume do Aiguille du Midi, um elevador que corta o cume da montanha e conduz ao ponto de observação mais alto, cujo terraço circunda um imenso transmissor de TV. Existe ainda o Espaço Mont Blanc e o Espaço História e para fazer refeições há o Le Vertical Café & Shop, Summit 382 Café e o Le 3842 Restaurant, que serve especialidades da cozinha savoyarde, típicas da região de Auvergne-Rhône-Alpes.

Uma das mais impressionantes é “Le Pas dans le Vide”, uma cabine de vidro que é um dos grandes destaques do Aiguille du Midi, permitindo aos visitantes a possibilidade de darem um passo para o precipício, um vazio a quase 4 mil metros de altitude. Para entrar na estrutura, é necessário usar pantufas para não arranhar o piso transparente. O cubo de vidro projeta-se para fora do terraço, oferecendo vistas inesquecíveis para as montanhas e para a fabulosa cidade de Chamonix.

Para usufruir de uma excelente vista para o Mont Blanc, mas do outro lado do vale de Chamonix existe também a possibilidade de subir, em duas etapas, até ao Brévent. Foi esta a subida de montanha que escolhemos fazer, pelo preço de 32,50€ por adulto e 27,60€ para crianças dos 5 aos 14 anos e pacote Família por 100,70€ para quatro pessoas.

A primeira etapa é feita em pequenos teleféricos até Planpraz a 2000 metros de altitude, a segunda etapa é realizada num teleférico de grande dimensão, daqueles que transportam cerca de 60 pessoas, até aos 2550 metros de altitude por entre escarpas vertiginosas com vistas de tirar o fôlego, num percurso que demora cerca de 20 minutos, tendo sido a primeira vez que andámos num teleférico tão grande e a uma altitude tão considerável. Mais uma experiência fabulosa!

Por se localizar num ponto de considerável altura, o Brévent oferece uma vista excelente para o Mont Blanc, uma vez que está mesmo de frente, uma boa alternativa, portanto, para quem não vai a Aiguille du Midi.

Para além da fantástica vista, no Brévent existe um restaurante panorâmico suspenso, impróprio para cardíacos, mas muito charmoso, e uma pista de sky.

Antes de descermos a montanha aproveitámos cada segundo para contemplar a soberba paisagem, tirar imensas fotografias e fazer uma pequena refeição. Na descida houve ainda tempo para brincar um pouco na neve e usufruir do excelente dia de sol numa simpática esplanada no meio do manto branco.

De volta a Chamonix, fizemos um longo passeio pelas apinhadas ruas de turistas e fizemos algumas compras nas inúmeras lojinhas e saboreámos a azáfama dos visitantes numa das muitas e pitorescas esplanadas com vistas para os elevados cumes cobertos de neve. O vilarejo é um charme!

Outros pontos de interesse nesta zona são os glaciares, como o Mer de Glace a 1913 metros de altitude, o maior glaciar francês com 7 Km de comprimento e 200 metros de largura, acessível por comboio num percurso que dura 20 minutos. Lá é possível visitar o Glaciorium, um espaço interativo e educativo dedicado à glaciologia, onde se aprende um pouco acerca da formação, da vida e da evolução dos glaciares ao longo dos séculos. Ou então, apanhar um teleférico e conhecer a Gruta de Gelo (Grotte de glace), um espaço pequeno com algumas obras que simbolizam a vida das pessoas da região no século XIX.

Há também o glaciar “Les Bossons” que fica bem próximo da cidade de Chamonix e que pode ser visto de qualquer lugar. Com 3630m, é a geleira mais rápida graças à sua inclinação forte (1m/ 1m50 por dia), formada pela neve dos cumes das Montanhas do Mont-Blanc (4810m), de Mont-Maudit (4345m) e do Mont-Blanc du Tacul (4248m) e está acessível por um teleférico até aos 1400 metros.

À saída de Chamonix, pode-se ainda visitar o lago dos Gaillands, que para além das vistas para o maciço do Mont-Blanc, possui um pequeno bosque e uma parede de escalada.

Outro ponto de interesse nesta região são as caminhadas no maciço. São centenas de quilómetros e percursos para tosos os gostos, entre as quais se destacam a do Lac Blanc, a do Lac Chesery, a do Plan de L’Aiguille até Montenvers; Lac Cornu e Lacs Noirs; Flégère até Planpraz.

Para além da beleza das paisagens, esquiar em Chamonix é qualquer coisa de fantástico. O forfait não é barato, mas a qualidade das pistas e as vistas justificam os preços. Vallée Blanche é, segundo dizem, a maior pista do mundo com cerca de 20Km e uma descida vertical de 2700 metros. Começa na Aiguille du Midi e termina na cidade de Chamonix. É apenas recomendada para esquiadores de nível avançado e deve ser feita com um guia. Não nos atrevemos, mas ficámos um bom par de horas a observar o grande movimento de esquiadores que se aventuram montanha abaixo, desfrutámos, essencialmente, das vistas para o Mont Blanc e do Brévent para Chamonix e gostamos imenso de subir pelas escarpas acima nos teleféricos.

Share this post

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Sobre

Olá, o meu nome é Carla Ferreira. Vivo em Viseu com a minha família, o marido Leonel e as filhas Sofia e Francisca.

Somos apaixonados pelo mundo, pela Natureza, pelas pessoas, culturas e tradições. Somos inquietos, sempre com uma vontade enorme de explorar mais e mais, de estar constantemente à procura. Privilegiamos muito o conhecimento, a valorização, a preservação e a sustentabilidade do planeta Terra. 

Explorar o mundo e partilhá-lo com as pessoas são das coisas que mais gostamos de fazer.

Artigos Recentes

Like Me on Facebook

Follow me on Instagram