Carla Ferreira

Carla Ferreira

Locais Imperdíveis no Gerês

#Continuandoàprocura dos locais mais incríveis em Portugal, em agosto de 2020 estivemos na região da Peneda Gerês, classificada como Parque Nacional, e que abrange 5 Concelhos, Melgaço, Arcos de Valdevez, Ponte da Barca, Terras de Bouro e Montalegre.

Trata-se de um território que transborda de sossego, ar fresco purificante, paisagens que invadem a alma, terra de boa comida e gente genuína.

São quase 70 mil hectares de paisagens únicas, centenas de quilómetros de trilhos para percorrer, dezenas de miradouros para contemplar, lagoas e quedas de água para desfrutar, desportos para praticar, matas e bosques onde passear, fauna e flora para encontrar, e muitas aldeias para admirar e conhecer a sua cultura. Nesta panóplia de lugares a conhecer, descobrimos alguns que merecem uma visita.

Apesar de termos ido no verão, consideramos, que a melhor época do ano para o fazer é na primavera e no Outono. No verão, há o calor e muitas pessoas, o que torna difícil o estacionamento e as principais atrações estão apinhadas de gente. O inverno costuma ser muito rigoroso, quer pela chuva, quer pelo nevoeiro, que retira beleza aos locais e dificulta a realização de trilhos.

Como se trata de uma região tão ampla torna-se impossível visitar tudo de uma vez, a não ser que se tenha muitos dias. Não foi o nosso caso, pois já fomos várias vezes ao Gerês e ainda não conseguimos ver tudo o que queremos.

Para aceder ao Parque Nacional da Peneda Gerês (PNPG) existem 5 Portas localizadas nas principais entradas do mesmo, considerando quem viaja por estrada. Cada Porta está situada em cada um dos municípios que integram esta área protegida:

– Porta de Lamas de Mouro, no concelho de Melgaço

– Porta do Mezio, no concelho de Arcos de Valdevez

– Porta de Lindoso, no concelho de Ponte da Barca

– Porta de Campo do Gerês, no concelho de Terras de Bouro

– Porta de Montalegre, no concelho de Montalegre

Estas Portas são centros vocacionados para a promoção do conhecimento e divulgação dos valores naturais e culturais do território do Parque Nacional, e que proporcionam uma adequada receção e informação aos visitantes. Nas Portas são ainda organizadas atividades diversas de educação e interpretação ambiental, dirigidas a diferentes públicos, combinando as vertentes educativa, formativa e recreativa. Cada Porta tem uma temática própria e espaços exteriores para partir à descoberta do Parque Nacional.

 

Para Ver

Concelho de Montalegre/ Porta de Montalegre (Distrito de Vila Real)

Aldeia de Pitões das Júnias

É uma das mais altas aldeias de Portugal, com 1103 metros de altitude, empoleirada entre os picos do Gerês a poente e noroeste, e o planalto da Mourela a nascente e nordeste, é uma localidade típica da região do Barroso, e que perpetua tradições que não se encontram em mais nenhum lugar.  

Ao chegarmos à aldeia deparámo-nos com um enquadramento paisagístico deslumbrante. Uma aldeia isolada, cujas habitações foram construídas em granito, muito próximas umas das outras, rodeadas de ruelas estreitas e ao longe as fabulosas escarpas graníticas do Gerês.   

Sendo uma aldeia de agricultores e pastores, tem nestas atividades a sua principal fonte de benefícios. À semelhança de muitas aldeias, Pitões da Júnias tem vindo a assistir ao decrescer do seu número de habitantes, o que acabou por se refletir num crescente isolamento da população. Além da autenticidade das suas gentes, da fauna e da flora riquíssima, possui alguns locais extraordinários como, o Mosteiro de Santa Maria das Júnias e a Cascata de Pitões das Júnias.

Nesta região é imprescindível saborear a carne Barrosã, o cozido à Portuguesa, o cabrito estufado, a cabra estufada, a sopa de vinho, as rabanadas, o pão-de-ló e a aletria.

Imprescindível é ainda, uma visita à Padaria de Pitões. Aqui é produzido o famoso Pão de Pitões, feito de centeio (1,80€) e o bolo massa de brioche com recheio de chocolate (4,5€).   

 

Mosteiro de Pitões das Júnias

Mosteiro, do século IX, em ruínas localizado nos arredores de Pitões das Júnias, devidamente sinalizado.

Para lá chegarmos tivemos de fazer uma caminhada de cerca 400 metros por um caminho irregular de lajes e pedras até ao Vale da Serra da Mourela, num local bastante isolado, que era como se pretendia naquela época.  

Atualmente o mosteiro encontra-se em ruínas, à exceção da igreja, devido ao incêndio que deflagrou após um ataque do exército espanhol à aldeia, durante a Guerra da Restauração da Independência Portuguesa, depois de 1640. No século XVIII foi recuperado e habitado por monges. Em 1850 ardeu novamente, desta vez resultado de brincadeiras de moços foliões, tendo escapado, mais uma vez, a igreja. Da construção original ainda se conservam o pórtico lateral da igreja de estilo românico, e as arcadas do claustro. Em 1950 foi classificado como Monumento Nacional.

 

Cascata de Pitões das Júnias

Queda de água com mais de 30 metros de altura alimentada pelas águas provenientes do ribeiro de Pitões, que devido aos desníveis do terreno, se desenvolve por vários patamares, e que desagua num lago delimitado por afloramentos graníticos.

A cascata também está bem sinalizada. Para lá chegarmos fizemos uma caminhada de cerca de 900 metros, primeiro em estrada asfaltada e, depois num passadiço de escadas em madeira, até chegar a um miradouro onde contemplámos a cascata.

 

Albufeira de Paradela

Albufeira concluída em 1956 situada no limite do Parque Nacional e que marca o final do território mais rural e o início de uma paisagem mais adversa, mas ao mesmo tempo fascinante. A albufeira localiza-se junto à estrada M308.

 

Cascata das Sete Lagoas de Xertelo

Deslumbrante, é o adjetivo que nos vem à cabeça para qualificar esta cascata, que na verdade são sete, associadas a sete lagoas. Avassalador!

Para lá chegar fizemos um percurso de 12Km (ida e volta). Estacionamos o carro, junto ao Bar das Sete Lagoas, na aldeia de Xertelo, e iniciamos uma caminhada de cerca de 4h (ida e volta), com diversas paragens pelo meio.

Na ida, optámos pelo estradão de terra batida que segue montanha acima, apesar de mal sinalizado, e no regresso fizemos uma parte de Trilho dos Poços Verdes do Sabroso, claramente sinalizado. Quer por um lado, quer por outro, as vistas são fabulosas e a paisagem lindíssima.

 

Cascata de Pincães

Esta lindíssima cascata localiza-se na localidade de Pincães, próximo de Cabril. Rodeada de uma vegetação luxuriante, e por entre, um magnífico penedo, brota uma queda de água fabulosa.

Para aceder à cascata, percorremos um caminho, que parte da aldeia de Pincães, num total de 2Km, com duração de cerca de 20 minutos. O percurso não está muito bem sinalizado, no entanto, seguimos junto a uma levada e, com alguns avanços e recuos, lá chegamos.

 

Miradouro de Fafião

Com uma vista impressionante, o Miradouro de Fafião fica no topo de um bloco gigantesco de granito, ligado a outro rochedo por uma pequena ponte de ferro.

Do miradouro avistamos a imponência das serras e vales do Gerês e as suas paisagens fabulosas. Observamos a barragem de Salamonde, o rio Fafião, um afluente do Cávado, e o Fojo do Lobo, uma das maiores armadilhas de lobos da Península Ibérica, uma estrutura em pedra que era usada para proteger os rebanhos e as aldeias dos lobos.

Para chegar ao miradouro, deixamos o carro próximo do mesmo e subimos pela encosta acima até aos blocos graníticos, depois de passarmos pela aldeia, local de onde seguimos por um estradão de terra batida.

 

Concelho de Terras de Bouro/ Porta de Campo de Gerês (Distrito de Braga)

 Porta de Campo de Gerês

A Porta do Campo do Gerês, inserida no Museu Etnográfico de Vilarinho da Furna, é uma estrutura de receção ao visitante, vocacionada para prestar informações sobre o Parque Nacional. Aqui os visitantes têm acesso a conteúdos diversos, incluindo exposições etnográficas. No mesmo espaço, num edifício mais recente, foi instalado o Museu da Geira (via romana), que também merece uma visita.

 

Miradouro da Pedra Bela

Local de onde desfrutamos de uma vista panorâmica deslumbrante sobre todo o vale do Rio Gerês até à fabulosa Barragem da Caniçada, com as suas pontes sobre o rio Caldo. O miradouro é de acesso fácil pois está junto à estrada que liga a vila do Gerês a Ermida, passando pelo acesso à cascata do Arado e Miradouro das Rocas. Está localizado a 829 metros de altitude e, para além da sombra refrescante de cedros e bétulas, possui uma pequena fonte e várias mesas para a pausa de uma merenda, enquanto se contempla a paisagem.

 

Cascata do Arado

Esta cascata localiza-se no Rio Arado e é uma das mais visitadas da região. Está situada junto a estradão de terra batida, mas para uma melhor contemplação, subimos monte acima por umas escadas íngremes, ou então, de pedra em pedra até chegar perto dela.

Quem pretender fazer uma pequena caminhada e evitar a estrada de terra, pode deixar o carro estacionado junto ao Miradouro das Rocas.

 

Poço Azul

O idílico Poço Azul é um dos mais bonitos do Gerês. Aqui a sensação de isolamento e beleza natural atinge o seu máximo. Lá chegar não é fácil, mas vale muito a pena, pois o que encontramos, tanto pelo caminho, como quando lá chegamos superou todas as dificuldades.

O trilho do Poço Azul não está inserido em nenhum percurso pedestre oficial do Gerês, ou seja, não se encontra devidamente marcado, no entanto, com algumas orientações conseguimos fazer o percurso de 9Km, com duração aproximada de 3h (ida e volta).

Deixamos o carro onde termina o estradão de terra batida para a Cascata do Arado e iniciamos a caminhada montanha acima até uma bifurcação. Aí viramos à direita e descemos um pouco, passamos pelo Curral e Fonte da Malhadoura do lado esquerdo, até chegarmos a uma pedra que diz Tribela, onde viramos à esquerda. Descemos até ao rio Conho, atravessamos a ponte das Servas, subimos pelo estradão até às mariolas, local onde viramos à esquerda para seguir pela margem direita do rio Conho numa distância de cerca de 1Km. Depois voltamos a cruzar o rio, até que chegamos à cabana do Poço Azul e daí seguimos pela parte inferior da mesma em direção ao poço que fica a cerca de 100 metros dali. Para voltarmos, tivemos de fazer o percurso em sentido contrário pelos mesmo locais. Uma experiência extraordinária!

 

Miradouro das Rocas

O Miradouro das Rocas está implantado a quase 800 metros de altitude, proporcionando uma fantástica panorâmica sobre a serra do Gerês e o vale do rio Arado. Na paisagem, os destaques vão para o rio e a ponte do Arado, construída em pedra, a floresta de camacipares e pinheiros, os bosquetes de carvalhos, e nas cotas mais altas, o granito. No horizonte evidenciam-se alguns dos principais picos da serra do Gerês, nomeadamente o Borrageiro, a Roca Negra e a Meda de Rocalva.

O miradouro é de fácil acesso, pois está localizado próximo da estrada, contudo, para lá chegar acima, subimos pela encosta do mesmo, num percurso íngreme e sinuoso.

 

Cascata de Fecha de Barjas (Tahiti)

É uma cascata localizada no Rio Arado, próxima da localidade de Vilar da Veiga. Embora esteja perto da estrada, o acesso faz-se por caminhos pedestres de grande dificuldade de acesso, pois são muito sinuosos e agrestes.

Esta queda de água termina numa calma e serena lagoa com margens de areia e águas cristalinas que representa um refúgio para o difícil caminho.

 

Albufeira da Caniçada

Barragem construída em 1956 e que divide os concelhos de Vieira do Minho e Terras de Bouro. Neste local, para além da magnífica praia fluvial, existe uma grande variedade de empresas que disponibilizam uma série de desportos náuticos de lazer.

 

Vila do Gerês

Pequena vila encaixada num frondoso vale luxuriante e que é conhecida pelas suas águas termais. É nesta vila que ser concentram grande parte dos alojamentos existentes nesta região.

 

Miradouro Mirante Velho

Miradouro do Mirante Velho está localizado a 599m de altitude e, portanto, oferece uma janela sobre toda a Albufeira da Caniçada verdadeiramente fantástica. A alguns metros, num patamar inferior, localiza-se o Mirante Novo.

Fizemos o acesso a este miradouro de carro, pela estrada que liga o Campo do Gerês à Vila do Gerês (M-533).

 

Cascata da Portela do Homem

O rio Homem possui uma série de cascatas, sendo a Cascata da Portela do Homem a mais conhecida, por ser deslumbrante e por se localizar muito próximo da estrada que liga a vila do Gerês à fronteira com o mesmo nome. Não é possível estacionar junto á cascata, o estacionamento fica um pouco distante desta, junto à fronteira.

 

Portela do Homem

A Portela do Homem é a zona fronteiriça entre Portugal e Espanha, também conhecida como a zona de passagem da famosa estrada romana que dá pelo nome de Geira, que ligava Bracara Augusta (Braga) a Asturica Augusta (Astorga).

 

Mata da Albergaria

Para nós, é uma das áreas mais bonitas do Gerês, mas também uma das mais sensíveis a nível ambiental, daí as visitas serem condicionadas, sobretudo de acesso automóvel, os quais pagam uma taxa de 1,50€.

A Mata da Albergaria é um bosque onde abundam os carvalhos e outras espécies de grande valor paisagístico e natural, um local tranquilo, luxuriante e bucólico.

 

Albufeira de Vilarinho das Furnas

Esta albufeira está inserida num local de rara beleza, em nossa opinião. O ambiente é inóspito, mas desconcertante. Aqui respira-se tranquilidade e isolamento, como gostámos.

A barragem foi construída em 1971, submergindo a aldeia original, cujas ruínas se tornam visíveis quando o nível da água baixa.

 

Santuário de São Bento da Porta Aberta

Local de peregrinação, localizado na margem do rio Caldo, bem próximo da albufeira da Caniçada.

A maior romaria acontece em agosto, e nesta altura muitos são os peregrinos que por ali vagueiam. A história deste templo remonta aos meados do século XVII, onde neste local existia uma capela com um alpendre que tinha sempre as portas abertas e que servia de abrigo aos que por ali passavam, passando posteriormente a designar-se com o nome atual.

 

Concelho de Melgaço/ Porta de lamas de Mouro (Distrito de Viana do Castelo)

Porta de Lamas de Mouro

A Porta de Lamas de Mouro é uma estrutura do Município de Melgaço, vocacionada para a receção, recreio e informação dos visitantes do Parque.

Inaugurada em maio de 2004, esta foi a primeira das cinco “Portas” previstas para o PNPG. Correspondente a uma área com cerca de dez hectares, esta Porta, cujo tema é a “Ordenamento do território”, é composta por três edifícios construídos e diversos espaços ao ar livre.  

Pode-se visitar uma exposição onde são apresentados aspetos genéricos da região, bem como informação sobre percursos pedestres e valores naturais e culturais do PNPG. Pode ainda visitar a exposição temática ‘Ordenamento do Território’, onde se abordam as especificidades naturais e culturais do território de Melgaço, com especial incidência para a história, organização e ocupação dos solos na emblemática freguesia de Castro Laboreiro.

Além das condições naturais, paisagísticas e monumentais da região, este local também oferece um grande leque de atividades de turismo de natureza para todas as idades, passeios junto ao rio Mouro e um fantástico parque de campismo para uns dias de descanso.

 

Concelho de Arcos de Valdevez/ Porta do Mezio (Distrito de Viana do Castelo)

 Aldeia do Soajo

Os principais pontos de interesse desta lindíssima aldeia são o Pelourinho, testemunho do tempo em que esta população serrana foi vila, e o conjunto de 24 espigueiros, construídos sob um enorme rochedo, que se localizam logo à entrada da povoação, sendo o mais antigo de 1782.

Junto à capela, há ainda um moinho em ruínas designado por Moinho do Convento. Merecem ainda uma visita o pelourinho, a Igreja Matriz de São Martinho do Soajo e a calçada medieval.  

Na gastronomia o destaque vai para o pão-de-ló do Soajo, os produtos de fumeiro, os enchidos e presuntos, e o queijo de cachena, vaca de porte pequeno, mais ágil e resistente, típica das zonas montanhosas do Gerês, acompanhada de um feijão terrestre, típico daqui.

No artesanato predominam os trabalhos em madeira, os bordados e bainhas abertas, a tecelagem do linho e da lã, e a confeção de trajes regionais.

Não exploramos toda a aldeia, ficámo-nos pelo rochedo com os espigueiros e apreciámos o contexto rural, envolvido por belezas naturais, o património cultural e arquitetónico.    

 

Santuário de Nossa Senhora da Peneda

O Santuário de Nossa Senhora da Peneda localiza-se na freguesia de Gavieira. Foi implantado no vale encaixado do Rio Peneda, onde no seu topo, se ergue destaca a Fraga da Meadinha, um enorme precipício granítico. Data de finais do século XVIII, a julgar pela inscrição na coluna existente ao cimo da escadaria de acesso.   

Acredita-se que neste local tenha existido uma pequena ermida construída para lembrar a aparição da Senhora da Peneda, cujo culto foi crescendo e motivou a construção do santuário. Este lugar de culto é constituído pelo escadório das virtudes, com estatuária que representa a Fé, Esperança, Caridade e Glória, datada de 1854, a igreja principal de 1875, o grande terreiro dos evangelistas e a escadaria com cerca de 300 metros e 20 capelas, com cenas da vida de Cristo.

A Festa da Senhora da Peneda decorre todos os anos entre dia 31 de agosto e oito de setembro.  É um dos maiores Santuários Marianos de Portugal e o seu desenho foi inspirado no Santuário do Bom Jesus em Braga onde é claramente visível a semelhança entre as igrejas e os escadórios.

 

Concelho de Ponte da Barca/ Porta de Lindoso (Distrito de Viana do Castelo)

Aldeia do Lindoso

O castelo e o magnífico conjunto de espigueiros fazem desta localidade, uma das aldeias mais bonitas e uma das mais conhecidas do Norte de Portugal. Os espigueiros, cerca de 60, concentram-se em volta de uma única eira, o que reflete a importância do comunitarismo, muito típico das aldeias de montanha, e situam-se junto ao castelo.   

Na gastronomia, as papas de sarrabulho são o ex-libris. Do rio vem a lampreia e a truta, da serra a posta de barrosã ou o cabrito assado em forno de lenha, do fumeiro os enchidos.  

Aqui deambulámos pelas ruas da aldeia, em volta dos espigueiros, e visitámos o castelo, palco de algumas das maiores batalhas no reinado de Afonso III, local com vista privilegiada para a bonita albufeira encravada nas altas montanhas do Gerês.

 

Para Ficar

Parque de campismo da Cerdeira (Campo de Gerês)

Como todos sabem somos uns aficionados pela Natureza, então, sempre que podemos é para aqui que vamos. Aqui não foi exceção. Estávamos no verão, no Gerês e, como tal, um parque de campismo foi, portanto, a nossa primeira escolha.

E assim foi, fomos e ficamos maravilhosamente instalados no Parque de Campismo da Cerdeira, um parque com excelentes infraestruturas e serviços.

As parcelas para colocar as tendas são muito boas, os balneários muito limpos, há piscina, têm restaurante, supermercado, esplanada, campo de jogos, mini golfe e uma série de atividades.

Para os que apreciam o contacto com a Natureza, mas preferem algumas comodidades o parque disponibiliza ainda, camaratas, bungalows, apartamentos, cabanas e até tendas na árvore.

Mais Informações >

Share this post

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Sobre

Olá, o meu nome é Carla Ferreira. Vivo em Viseu com a minha família, o marido Leonel e as filhas Sofia e Francisca.

Somos apaixonados pelo mundo, pela Natureza, pelas pessoas, culturas e tradições. Somos inquietos, sempre com uma vontade enorme de explorar mais e mais, de estar constantemente à procura. Privilegiamos muito o conhecimento, a valorização, a preservação e a sustentabilidade do planeta Terra. 

Explorar o mundo e partilhá-lo com as pessoas são das coisas que mais gostamos de fazer.

Artigos Recentes

Like Me on Facebook

Follow me on Instagram