Carla Ferreira

Carla Ferreira

Paris – França

#Continuandoàprocura de grandes cidades na Europa, fomos conhecer Paris em maio de 2014, época do ano em que as temperaturas são amenas e os preços ainda são acessíveis, no entanto, caso se pense em economizar até 40% dos gastos, deve-se procurar viajar na época baixa, ou seja, durante o outono ou inverno.
 

Escolhemos a Ryanair por considerarmos ser uma das companhias com preços mais acessíveis e comprámos o voo diretamente no site. O inconveniente desta empresa é que apenas opera para o aeroporto de Beauvais que fica a cerca de 100 km do centro de Paris, percurso que se faz em aproximadamente 1h 40m, sendo que o transfer pode ser feito de autocarro. Os autocarros estão coordenados com a chegada dos voos da Ryanair que normalmente saem entre 35 a 40 minutos após a aterragem. Os horários exatos podem ser encontrados no site do aeroporto. O bilhete custa 17€ em cada sentido. No entanto, se fizer a compra online, o bilhete fica a 15,90€. O destino final é a estação de Porte Maillot (estacionamento Boulevard Pershing), com ligação à rede do metro.

Quando chegámos a Porte Maillot, a questão que nos ocorreu foi, por onde começar… O melhor é ter, ou então comprar, um mapa da cidade para se ter a noção da localização, bem como dos locais pretendidos. Também considerámos que o melhor a fazer para se conseguir visitar o máximo de sítios possível, é adquirir um bilhete para um autocarro turístico. Há várias possibilidades de percurso, a saber:

 
Big Bus/ Les Cars Rouges só tem uma linha. Sai da Torre Eiffel, passa pelos Invalides, atravessa o rio Sena e então enfrenta o trânsito da cidade, passando pela Place de La Concorde, Ópera e Galleries Lafayette, Place Vendôme e pelo museu do Louvre. De volta ao rio Sena, cruza a île de La Cité (onde está a catedral de Notre Dame) e volta pela margem esquerda, passando pelo Quai d’Órsay. Atravessa de novo para a Place de La Concorde e então percorre os Champs-Elysées em toda a extensão (até ao Arco do Triunfo). Volta pelos Invalides e faz um novo ziguezague, passando pelo Trocadéro antes de voltar à Torre Eiffel. À noite o roteiro muda um pouco, com uma extensão até ao Moulin Rouge. Comprendo online, o passe diurno custa 27€ para 1 dia e 30,60€ para 2 dias. O passe diurno+noturno custa 44€ para 1 dia e 47,60€ para 2 dias. O passe exclusivo para o tour noturno custa 22€.
 

Foxity é um autocarro com teto retrátil no segundo andar, para dias frios ou de chuva. O percurso é basicamente o mesmo (incluindo a variação noturna). O preço é low-cost: 17€ sem direito a hop-on/ hop-off, 19€ para poder subir e descer durante 1 dia. A tarifa noturna, sem direito a parada, é 19€.
 

L’Open Tour Bus é o único com várias rotas: são quatro itinerários que se comunicam e podem ser combinados à vontade durante a validade do passe de 1, 2 e 3 dias consecutivos. Pode-se subir e descer durante o percurso as vezes que entender neste autocarro de dois andares sem capota. As quatro rotas da excursão são interconectadas, portanto, pode-se facilmente trocar entre elas. O ingresso é válido para todas as rotas. A linha verde repete a linha básica dos outros autocarros, e é complementada pelas linhas amarela (que vai até Montemartre), a azul (passa por fora do Marais e vai até Bercy) e a laranja (que faz Quartier Latin, Sorbonne, Luxembourg e Montparnasse). Os preços do passe são: 32€ para 1 dia, 36€ para 2 dias e 40€ para 3 dias.

Itinerários L’Open Tour Bus:

Itinerário 1 – Paris Grand Tour
Duração – 2h30m
abril a outubro – 10h às 18h
novembro a março – 10h às 16h
Paragens – Auber, Opera, Palais Royal, Museu do Louvre, Pont Neuf, Notre Dame, Saint-Michel, Museu de Orsay, Concorde, Champs-Elysees – Clemenceau, Boetie – Champs Elisees, George V, Charles de Gaulle Etoile, Trocadero, Torre Eiffel, Invalides, Concorde Royal, Madeleine.

Itinerário 2 – Montparnasse – St. Germain
Duração – 1h
abril a outubro – 10h às 18h30m
novembro a março – 10h às 16h30m
Paragens – Petit-Pont, Luxembourg, Observatoire, Denfert-Rochereau, Raspail, Montparnasse, Invalides, Rue du Bac, St. Germain des Pres, Latin Quarter, Notre Dame.

Itinerário 3 – Montmartre – Grands Boulevard Tours
Duração – 1h
abril a outubro – 10h às 18h
novembro a março – 10h às 17h
Paragens – Auber, Trinite, Blanche, Montmartre,-Anvers, Gare du Nord, Gare de L’Est, Republique, Bonne Nouvelle, Grands Boulevards, Italiens, Capucines-Scribe, Madeleine.

Itinerário 4 – Bastille – Bercy Tour
Duração – 1h
abril a outubro – 9h30m às 18h
novembro a março – 10h às 17h
Paragens – Notre Dame, Petit-Pont, Maubert-Mutualite, Ile St. Louis, Bastille Opera, Gare de Lyon, Gare de Austerlitz, Bibliothèque Nationale de France, Parc de Bercy, Bastille, Place des Vosges, Hotel de Ville.

 
 
Todos os autocarros de dois andares oferecem tarifas reduzidas para crianças e passes combinados com tour de barco pelo rio Sena.
Somos de opinião que se deve investir num passeio no rio Sena. A vista é fantástica, os monumentos sucedem-se todo o tempo e não se fica parado no trânsito. A experiência é muito agradável.
 
 
 
Várias companhias oferecem passeios simples de uma hora ou um pouco mais longos, com almoço ou jantar a bordo. Nos Bâteaux-Mouches o cruzeiro-passeio custa 13,50€; o cruzeiro-almoço 55€ e o cruzeiro-jantar de 99€ a 148€. Nos Bâteaux Parisiens o cruzeiro-passeio custa 14€; o cruzeiro-almoço 57€ e o cruzeiro-jantar de 69€ a 99€. Finalmente, asVedettes de Pont Neuf oferecem só o cruzeiro-passeio de 1h a 14€.
Uma outra sugestão de passeio pelo rio Sena é o Batobus, que nada mais é que um hop-on/ hop-off fluvial. O passe de 1 dia custa 16€ e o de 2 dias, consecutivos, 19€.
Um combinado Open Tour + Batobus de 2 dias consecutivos custa 41€ para adultos e 20€ para crianças, contempla 4 percursos de autocarro + 8 escalas de barco repartidas por todo Paris e pode subir e descer do autocarro como do barco sem limite.
Nós escolhemos o Big Bus, o que tem o percurso maior e começámos pela paragem situada no Arco do Triunfo, por ser o local mais perto do local de desembarque do autocarro vindo do aeroporto, Porte Maillot, percurso que fizemos a pé por ser relativamente perto.
 

Arco do Triunfo é um monumento construído em comemoração às vitórias militares de Napoleão Bonaparte, o qual ordenou a sua construção em 1806, tendo sido concebido por Jean Chalgrin. Inaugurado em 1836, detém gravados os nomes de 128 batalhas e 558 generais. Na base, situa-se o túmulo do soldado desconhecido (1920). O Arco situa-se na praça Charles de Gaulle, no encontro das avenidas Charles de Gaulle e Champs-Elysée. Nas extremidades das avenidas encontra-se a praça da Concordia e na outra La Defense. Pode-se visitar o Arco do Triunfo todos os dias das 10h às 22h. Fecha nos dias 1 de janeiro, 1 de maio, 14 de julho (manhã), 11 de novembro (manhã) e 25 de dezembro – tarifa 9€.

 

Segue-se Le Petit Palais, que é um edifício histórico e museu das belas artes situado na avenida Winston Churchill, zona dos Champs Elysées. O edifício foi construído pelo arquiteto Charles Girault para a Exposição Universal de 1900, fazendo parte de um conjunto monumental com o Grand Palais e a Ponte Alexandre III. Ambos são visita obrigatória e se não tiver tempo para entrar, pelo menos não deixe de dar um vista de olhos por fora do palácio, o belo jardim e os imensos vitrais já valem a pena, além disso, não pesa no orçamento, pois a entrada é gratuita de terça a domingo das 10h às 18h. Se tiver tempo, poderá visitar mais de 1300 obras de arte, cujo forte é o século XVIII e XIX (Cezanne, Corot, Gauguin, …). Há também exposições temporárias, mas estas são pagas (o ingresso custa cerca de 10€). Se passar por lá perto da hora do almoço, pode aproveitar para comer no café. O ambiente é muito agradável e, ao contrário de outros museus, o restaurante não é muito caro.

 

Continuando, depara-se com a praça do Trocadéro, que é passagem obrigatória em Paris. É desta praça que se tem a mais bela vista da Torre Eiffel e onde estão concentrados, à direita da praça, cafés, restaurantes e casas de chá muito turísticas. No entanto, o Trocadéro é mais que uma praça ou um dos melhores miradouros para apreciar a Torre Eiffel. Nesta zona podemos ver o impressionante Palais de Chaillot e algumas memórias da Primeira Guerra Mundial, que foi construído em 1937 para a Exposição Internacional de Paris. A sua estrutura circular alberga três museus e um teatro. No lado direito está o Museu do Homem e da Marinha e, do outro lado, está o Teatro Nacinal de Chaillot. Nas paredes dos edifícios estão algumas frases escritas em dourado do poeta e filósofo Paul Valéry. Em frente há uma estátua em bronze de Apolo e, em redor do palácio, pode-se observar várias estátuas douradas, todas de figuras femininas, com a Torre Eiffel como pano de fundo.

 
Segue-se, portanto, para a Torre Eiffel, que é uma torre treliça de ferro do século XIX, localizada no Champ de Mars, foi construída pelo engenheiro Gustave Eiffel e tornou-se um ícone mundial de França e, uma das estruturas mais reconhecidas no mundo. A Torre Eiffel, que é o edifício mais alto de Paris, é o monumento pago mais visitado do mundo, milhões de pessoas sobem à torre todos os anos. A torre possuí 324 metros de altura e três níveis para os visitantes. Os ingressos podem ser adquiridos nas escadas ou elevadores do primeiro ou segundo nível. A caminhada para o primeiro nível é superior a 300 degraus. O terceiro e mais alto nível, só é acessível por elevador. Do primeiro nível vê-se a cidade inteira, tem sanitários e várias lojas e, o segundo nível tem um restaurante. O problema é que muita gente desanima ao chegar lá e ver a fila enormíssima para subir, tal como aconteceu comigo, que acabei por não subir. No entanto, há um “segredo” que muita gente ainda não sabe: dá para comprar um ingresso online, com data e horário marcado, sendo possível “furar a fila” e não ter que ficar à espera horas e mais horas para subir. O lado mau, é que por ser uma atração muito requisitada, milhares de pessoas entram todo o dia com pré-reserva e, especialmente na época alta, é quase impossível conseguir reservar uma hora para subir sem ser com alguns meses de antecedência. Entre no site oficial da atração http://www.eiffel-tower.com escolha e compre os ingressos.
 
 
Continuando o percurso, passa-se na Place de La Concorde. A praça é a mais bonita e elegante de Paris, fica situada entre a avenida Champs Elysées e o jardim Tuileries. Em redor, está a embaixada dos USA, o bonito hotel Crillon, atualmente fechado para reformas, o Ministério da Marinha e o Automóvel Club de França. No seu centro, está o Obelisco, proveniente do Templo de Luxor no Egito. Ao lado, há duas fontes que representam os rios e os mares e, nos ângulos da praça, há as estátuas símbolos das cidades francesas. O nome da praça foi escolhido para marcar a reconciliação dos franceses após a Revolução, a qual foi palco de eventos violentos da história da França. No seu centro este instalada a guilhotina que executou Louis XVI, em 21 de janeiro de 1793, e Marie Antoinette, alguns meses mais tarde, em 16 de outubro de 1793.
 
 
 
 
 
 
Museu do Louvre, instalado no Palácio do Louvre, é um dos maiores e mais famosos museus do mundo. Localiza-se entre o rio Sena e a Rue de Rival dos Champs Elysées e, é onde se encontra a Mona Lisa, a Vitória de Samotrácia, a Vénus de Milo, enormes coleções de artefactos do Egito antigo, da civilização greco-romana, artes decorativas e aplicadas, e numerosas obras primas dos grandes artistas da Europa como Ticiano, Rembrandt, Michelangelo, Goya e Rubens, numa das maiores mostras do mundo de arte e cultura humanas. O museu abrange, portanto, oito mil anos da cultura e da civilização, tanto do Oriente quanto do Ocidente.
 
 

O Louvre é gerido pelo estado francês através da Réunion des Musées Nationaux. É o museu mais visitado do mundo e está dividido nos seguintes departamentos:

  1. Antiguidade Oriental
  2. Egito
  3. Gregos, Etruscos e Romanos
  4. Arte do Islã
  5. Esculturas
  6. Objetos de Arte
  7. Pintura
  8. Artes Gráficas

Possui três alas e, quando se está dentro da pirâmide, vêem-se 3 entradas e 3 escadas rolantes que dão acesso às 3 alas do museu: Denon, Sully e Richelieu.
O ingresso custa cerca de 15€, no entanto, é gratuito todos os primeiros domingos de cada mês e todas as sextas-feiras (das 18h às 22h) de 21 de outubro a 31 de março, que coincide com a época baixa.
Se quiser economizar na parte cultural, é importante saber que quase todos os museus de Paris têm um dia gratuito ou exposições gratuitas. É necessário ter em atenção também que nem todos os museus fecham à segunda, alguns (como o Louvre) fecham à terça; e mais, nenhum museu funciona nos dias 1 de janeiro, 1 de maio ou 25 de dezembro. Também existe um passe de museu que permite visitar vários museus de uma só vez com um preço mais em conta.
Daqui segue-se pela Pont Neuf, que é a mais antiga das pontes que cruzam o rio Sena. O seu nome “Novo” permaneceu, e foi dado para distinguir-se das antigas pontes medievais, erguidas com casas em ambos os lados. A ponte, situada junto ao ponto mais ocidental da Ile de la Cité – a ilha situada no meio do rio Sena, é composta por duas partes distintas: uma com cinco arcos até atingir a Île de la Cité, outra com sete arcos que levam à margem direita. Se fizer um passeio pela Île de la Cité ou um cruzeiro no Sena, passará por essa ponte. Durante muitos anos essa foi considerada a ponte mais importante de Paris. O seu projeto foi iniciado em 1577 (durante o reino de Henrique III), mas foi inaugurada somente em 1607 (sob o reinado de Henrique IV).

Na Île de la Cité, rodeada pelas águas do rio Sena, na praça Parvis, está localizada a Catedral de Notre Dame, que é uma das mais antigas catedrais francesas em estilo gótico. A sua construção iniciou-se no ano de 1163 e é dedicada a Maria, mãe de Jesus Cristo (daí o nome Notre Dame – Nossa Senhora). A catedral surge intimamente ligada à ideia de gótico no seu esplendor. A arquitetura gótica substituiu as paredes grossas das igrejas românicas por colunas altas e arcos capazes de sustentar o peso dos telhados. Como consequência, os edificios góticos ganharam um aspeto mais leve e, as janelas, mais amplas e altas, foram decoradas com belos vitrais coloridos que filtravam a luz natural e, com isso, criavam um “clima” de misticismo no seu interior.

 
 
 
A visita à Catedral de Notre Dame é gratuita, no entanto, a visita às suas torres é paga, mas vale a pena subir os 422 degraus até ao alto das torres, pois lá de cima terá uma visão de Paris emoldurada pelos diabos desenhados por Viollet-le-Duc. A fila para a compra dos ingressos costuma ser longa, por isso é aconselhável a compra antecipada dos mesmos. As torres estão abertas todos os dias da semana (fechadas no dia 1 de janeiro, 1 de maio e 25 de dezembro), com o custo de 8,50€, tarifa reduzida dos 18 aos 25 anos: 6,50€ e gratuita para menores de 18 anos. O Museum Pass dá acesso às torres, no entanto, as torres não são acessíveis às pessoas com mobilidades reduzida. 

Share this post

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Sobre

Olá, o meu nome é Carla Ferreira. Vivo em Viseu com a minha família, o marido Leonel e as filhas Sofia e Francisca.

Somos apaixonados pelo mundo, pela Natureza, pelas pessoas, culturas e tradições. Somos inquietos, sempre com uma vontade enorme de explorar mais e mais, de estar constantemente à procura. Privilegiamos muito o conhecimento, a valorização, a preservação e a sustentabilidade do planeta Terra. 

Explorar o mundo e partilhá-lo com as pessoas são das coisas que mais gostamos de fazer.

Artigos Recentes

Like Me on Facebook

Follow me on Instagram