Carla & Leonel

Carla & Leonel

Passadiços do Mondego na Guarda

É em pleno Parque Natural da Serra da Estrela e Estrela Geopark que se localiza um dos mais recentes percursos pedestres de Portugal.

Muito Próximo da cidade da Guarda e com começo na Barragem do Caldeirão ou na aldeia de Videmonte, os Passadiços do Mondego desenvolvem-se ao longo das margens do rio Mondego e dos seus afluentes.

O percurso segue junto ao rio e circunda os abruptos penhascos graníticos da montanha. O trajeto é linear e tem cerca 12 km de extensão (24 km ida e volta). Aproveita cerca de 5 km de caminhos rurais em terra batida já existentes, alternando com os 7 km de passadiços.

Para além da sua extensão do percurso, o desnível acumulado dos Passadiços do Mondego ronda os 800 metros. As exigentes subidas/descidas das escadarias junto às entradas dos passadiços na Barragem do Caldeirão e na aldeia de Videmonte, fazem destes passadiços um dos mais exigentes.

Ao longo do percurso as paisagens naturais do Vale do Mondego, os geossítios do Estrela Geopark, Miradouro do Mocho Real, os Metassedimentos de Videmonte, e as Cascalheiras e Meandro do Alto Mondego realçam o bonito percurso pedestre.

Para além disso, a levada, a milenar estrada romana, as ruínas de antigos moinhos de água e fábricas de lanifícios, os bosques de carvalhos e castanheiros, as pontes suspensas e a maravilhosa Cascata do Caldeirão completam o trajeto.

Para percorrer os Passadiços do Mondego é necessário reservar bilhete previamente pois existe um limite de entradas diária para evitar as multidões. O bilhete tem um custo de 1€ por pessoa, sendo gratuita para menores de 12 anos.

É necessário ter em atenção que os bilhetes só podem ser comprados através do site oficial dos Passadiços do Mondego, ou seja não existem bilheteiras físicas nas entradas dos Passadiços do Mondego.

 

Por Onde Começar os Passadiços do Mondego

Visto ser um percurso linear, a primeira decisão é por onde começar o percurso. A escolha mais habitual é percorrer os Passadiços do Mondego num só sentido, no entanto, há quem também faça ida e volta.

Pode-se iniciar a caminhada na entrada da Barragem do Caldeirão ou na entrada de Videmonte. A recomendação oficial é começar junto à Barragem do Caldeirão e terminar em Videmonte.

Nós iniciamos, precisamente, aqui e logo enfrentamos a maior descida dos Passadiços do Mondego, a colossal escadaria da Barragem do Caldeirão. Quase a chegar a Videmonte deparamo-nos com mais uma escadaria na subida final do percurso.

Independentemente do sentido que se escolha para percorrer os Passadiços do Mondego, há escadarias no início/ fim do trajeto.

Importante lembrar que não existem transportes públicos nem serviços de transfer entre a Barragem do Caldeirão e Videmonte. Ou seja, a única forma de regressar ao local onde se estacionou a viatura é chamando um táxi ou então levar duas viaturas para deixar em cada uma das entradas/ saídas.

Os funcionários que se encontram nas entradas dos Passadiços do Mondego facultam uma lista de números de táxis para quem pretender. O custo da viagem ronda os 10€.

 

Pontos de Interesse

  • Barragem do Caldeirão
  • Vista do Miradouro do Mocho (Geossítio do Estrela Geopark)
  • Cascata do Caldeirão
  • Escadaria da Barragem do Caldeirão
  • Calçada Romana
  • Ponte Medieval de Misarela
  • Praia fluvial selvagem no rio Mondego
  • Troço de terra batida a caminho da aldeia de Pêro Soares
  • Levada do Pateiro
  • As imponentes arribas do Vale do Mondego
  • Primeira Ponte Suspensa dos Passadiços do Mondego
  • Segunda Ponte Suspensa dos Passadiços do Mondego
  • Bosque de Carvalhos e Castanheiros
  • Ruínas da Fábrica de Lanifícios Marrocos
  • Terceira Ponte Suspensa dos Passadiços do Mondego
  • Metassedimentos de Videmonte (Geossítio do Estrela Geopark)
  • Engenho dos Carriços
  • Cascata da Ribeira dos Moinhos
  • Escadaria de Videmonte

 

Informação útil

Distância: 12Km

Duração: Cerca de 3h 30m

Tipo de percurso: Linear

Dificuldade Técnica: Moderada

Local de Partida/Chegada: Aldeia de Videmonte / Barragem do Caldeirão

Quando Ir: Todas as estações são boas para fazer o trilho, mas na nossa opinião, na primavera e no outono em dias de sol, são as melhores alturas. No inverno, existe a possibilidade de encontrar muita geada. No verão, o facto de não haver sombras, também pode tornar a caminhada mais difícil. Nós fomos na primavera num dia de Sol e apreciámos bastante.

O que Levar

  • Mochila leve com o necessário, nomeadamente, comida e bebida.
  • Calçado adequado a caminhadas em montanha.
  • Roupa adequada ao tempo.
  • Uma máquina fotográfica ou um smartphone para registar os locais.
  • Um saco para trazer o lixo que, eventualmente, se faça.

Outros Percursos Pedestres >

#Galeria

Share this post

Sobre

Olá, somos a Carla, o Leonel, a Sofia, a Francisca, e adorámos partir à descoberta do mundo juntos!

Aqui, partilhámos os vários destinos que já visitamos, os hotéis onde ficamos hospedados e os restaurantes que experimentámos. Queremos inspirar quem nos visita, a viajar e a experimentar, pois consideramos que a vida é uma soma de experiências e uma constante procura. Nesta procura, buscamos locais, espaços, gastronomia, cultura, pessoas e, acima de tudo, a felicidade que é poder conhecer, valorizar e preservar o mundo maravilhoso que temos.

Artigos Recentes

Like Us on Facebook

Follow us on Instagram