Carla & Leonel

Carla & Leonel

Concelho de Viseu

Considerada a melhor cidade portuguesa para se viver, Viseu, a minha segunda “casa”, capital de distrito, é uma cidade cosmopolita, artística e cheia de verde, um encanto no coração da Beira Alta.

As origens da mesma remontam à época castreja, e com a romanização ganhou grande importância devido ao cruzamento de estradas romanas, estando também associada à figura de Viriato, herói Lusitano que se pensa ter nascido nesta região.

Viseu localiza-se na zona central em relação ao distrito e ao município, no designado “Planalto de Viseu”. É envolvida por um sistema montanhoso e caracteriza-se por elevadas amplitudes térmicas, com invernos rigorosos e húmidos e verões quentes e secos.

Viseu é muitas vezes chamada de “Viseu Cidade-Jardim”, slogan originário dos anos 30 do século XX. No entanto, Viseu é muito mais que um slogan. Alicerçada num triplo pilar, qualidade de vida “Cidade-Jardim”, história e património “Cidade de Viriato”, gastronomia e vinhos “Cidade Vinhateira”, Viseu tem-se evidenciando, tornando-se uma referência no panorama turístico nacional e internacional.

 

Para Ver

 Monumentos

  •  Sé de Viseu

A Sé de Viseu foi edificada no séc. XII e está associada a um paço condal e a um castelo. Sofreu inúmeras transformações entre os séculos XIII e XVIII. No seu interior, pode-se observar o primeiro claustro renascentista de Portugal e uma magnífica “abóboda de nós” do séc. XVI, bem como o braço relicário de São Teotónio, primeiro santo português. No piso superior está o Museu dedicado ao Tesouro da Sé e o Passeio dos Cónegos.

 

  • Igreja da Misericórdia

Construída na segunda metade do séc. XVI, a sua fachada é um dos maiores exemplares da arquitetura barroca em Viseu. Possui um órgão de tubos da segunda metade do séc. XVIII e uma tela pintada a óleo de Pintor Gata, artista viseense do século XIX que representa Nossa Senhora da Misericórdia.

 

  • Igreja da Ordem Terceira de S. Francisco

Com uma vista privilegiada sobre a Praça da República, esta igreja apresenta uma elegante escadaria e um dos mais belos exemplares da arquitetura religiosa da segunda metade do séc. XVIII. No interior pode-se ver painéis de azulejos que retratam a vida de S. Francisco e um retábulo rococó.

  • Igreja do Carmo

Igreja barroca de 1738, localizada no Largo de Santa Cristina. No interior existe um magnífico teto em perspetiva que se alia à talha dourada dos retábulos e aos painéis de azulejos que revestem as paredes.

 

  • Cava de Viriato

Não se sabe muito acerca da origem deste mistério arqueológico, apenas que é uma das mais emblemáticas obras de engenharia em terra batida conservada na Península Ibérica. É uma fortificação com 33 hectares de terreno que incluem um octógono, apenas visível do ar, com 2000 metros de perímetro, oito taludes e um fosso.

 

  • Muralha Romana da Rua Formosa

É na Rua Formosa que se encontra um dos mais importantes vestígios da presença romana em Viseu. Sob um vidro, é possível observar um troço da muralha edificada no ano de 360. Esta muralha, que circundava a cidade, contava com pelo menos 4 portas e uma série de torreões.

 

  • Porta do Soar

É uma das sete entradas existentes da muralha medieval da cidade, das quais restam apenas duas. Foi iniciada por ordem de D. João I e concluída nos finais de D. Afonso V. Está localizada na Rua Nunes de Carvalho

 

  • Porta dos Cavaleiros

É uma das sete entradas existentes da muralha medieval da cidade, das quais restam apenas duas. A construção da cerca resultou das solicitações dos Procuradores da cidade nas Cortes da Lisboa em 1439. Está localizada na Avenida Emídio Navarro. Junto a esta Porta, está ainda a Fonte de S. Francisco, um monumento de características barrocas.

 

  • Solar dos Condes de Prime

Casa barroca edificada na primeira metade do séc. XVIII por José Teixeira de Carvalho. A capela tem um fabuloso retábulo de talha dourada de estilo Joanino e painéis de azulejos que retratam a vida de Santo António.

 

  • Solar do Vinho do Dão

A história do Solar do Vinho do Dão remonta a 1122, ano em que D. Maria Seseriquiz, irmã e filhos, doaram ao prior D. Odório e  à Sé de Viseu a herdade do Fontelo. O Paço, hoje, o Solar do Vinho do Dão, começou a ser edificado em 1399.
O edifício foi utilizado para diferentes funcionalidades, entre outras, serviu para instalação das reservas do exército em 1912 e de Casa de Reclusão onde esteve preso Aquilino Ribeiro em 1928. Em 1926 a Câmara Municipal de Viseu toma posse definitiva e a recuperação deste edifício foi uma ação conjunta com a Comissão Vitivinícola Regional do Dão, com o objetivo de instalar esta Comissão, adotando assim, a designação de Solar do Vinho do Dão.

 

  • Fonte das Três Bicas

É uma fonte monumental de estilo barroco localizada atualmente no largo da Sé junto à Igreja da Misericórdia de Viseu Portugal tendo sido (segundo a inscrição lateral) transferida da Quinta das Bicas onde originalmente se encontrava em 1905.

 

Museus

  •  Museu Grão Vasco

Museu elevado a estatuto nacional em 2015. Fundado em 1916, o espaço que reúne as fabulosas pinturas de Vasco Fernandes e outros artistas, apreciadas pelo seu naturalismo e pelas paisagens de fundo. No terceiro piso são exibidas as obras primas que noutros tempos adornavam um retábulo da catedral.

 

  • Casa Museu Almeida Moreira

Esta casa foi residência do Capitão Francisco António de Almeida Moreira e possui um recheio constituído por várias peças, pinturas naturalistas, mobiliário, porcelanas e esculturas.

 

  • Museu da História da Cidade de Viseu 

Inaugurado em maio de 2018, no edifício da antiga Casa das Memórias, na emblemática Rua Direita, este novo espaço museológico recupera os mais de dois mil anos de história da cidade, com exposições que junta símbolos, emblemas e ícones que representam os grandes períodos e a evolução de Viseu.

 

  • Casa do Miradouro

Localizada no Largo António José Pereira, foi desenhada e edificada no és. XVI, por Francesco de Cremona. No seu interior está uma das mais curiosas coleções arqueológicas de Viseu, a Coleção de José Coelho.

 

  • Casa da Ribeira

Espaço cultural evocativo de múltiplas memórias de Viseu e da História recente do lugar. A ela associam-se a presença dos tradicionais moinhos do rio Pavia, o lagar de azeite e o lavor das lavadeiras. A casa evoca ainda a presença das barcas da Ribeira e apresenta aos visitantes um conjunto de exposições permanentes e temporárias.

 

  • Casa da Lavoura e Oficina do Linho

Espaço situado no lugar de Várzea em Calde, a cerca de 15Km do centro da cidade, e que preserva a tradição do linho e da lavoura tradicional, enquanto cultura identitária da região.

 

  • Museu do Quartzo

Localizado no Monte de Santa Luzia, a cerca de 10Km do centro da cidade, foi construído numa antiga pedreira, abandonada desde 1986. É o único museu no mundo dedicado exclusivamente a um mineral: o quartzo, que promove o reconhecimento do património geológico como parte do património natural, dedicando-se à sua proteção, preservação e valorização.

 

  • Quinta da Cruz

Este fantástico espaço situa-se em São Salvador, a cerca de 2Km do centro da cidade, e foi intervencionado com a finalidade de o converter num espaço de arte, cultura e de lazer. Com um imenso espaço verde circundante e uma grande biodiversidade dendrológica, esta estrutura museológica direcionada para a arte contemporânea, contempla uma exposição permanente, exposições temporárias e oficinas criativas.

Ler Mais >

 

Praças/ Mercados

  •  Praça da República – Rossio

Largo localizado em pleno centro da cidade onde está a Câmara Municipal e onde há um quiosque, um café, uma grande esplanada e muita sombra das enormes árvores. Aqui, está também um magnífico painel de azulejos artísticos que retrata a vida no campo dos viseenses.

 

  • Praça D. Duarte

É uma das mais antigas praças da cidade batizada com o nome do rei D. Duarte, nascido em Viseu em 1391. Tem como pano de fundo o majestoso Passeio dos Cónegos e ao centro da praça a estátua do rei.

 

  • Mercado 2 de Maio

Inaugurado em 1879, como “Praça 2 de maio”, este foi o mercado de Viseu durante mais de 100 anos, um espaço marcado pelo cunho da História e das memórias. Atualmente, fruto de algumas remodelações, está transformado em praça para os mais variados eventos que ocorrem na cidade, desde feiras, mercados, exposições, festas, concertos, etc.

 

Espaços Verdes

  •  Parque Aquilino Ribeiro

Localizado em pleno centro da cidade, neste espaço recorda-se também o escritor Aquilino Ribeiro. Nele encontra-se ainda a Capela Senhora da Vitória.

 

  • Parque Linear do Pavia

Este parque localiza-se junto ao rio Pavio que atravessa a cidade. Começa na Praça Grão Vasco (1ª Circular Norte) e acaba no Parque Urbano da Aguieira. Situa-se na freguesia de S. José e a sua área total é de 7 hectares.

 

  • Parque do Fontelo

Jardim do Antigo Paço Episcopal do Fontelo é uma criação paisagística de influência italiana, mandado construir no séc. XVI por D. Miguel da Silva, bispo de Viseu.

 

  • Jardim das Mães

Jardim localizado no Largo Major Teles e que possui uma escultura de 1940, da autoria de Oliveira Ferreira, dedicada à sua mãe e intitulada “O melhor sono da nossa vida”.

 

  • Street Art

Na rota da arte urbana, Viseu ocupa lugar de destaque. São 44 as obras a céu aberto que reinterpretam a paisagem da cidade, com novas cores, formas, texturas e histórias. Entre o mundo urbano e rural é possível descobrir cartões-de-visita inspirados na identidade viseense, do património aos jardins, das tradições ao folk às marcas da cidade vinhateira.

 

  • Feira de S. Mateus

Esta feira foi criada por D. Sancho I em 1188 e realiza-se anualmente entre os meses de agosto e setembro numa grande área onde centenas de expositores e feirantes mostram os seus produtos. Nesta feira também não faltam os divertimentos, a gastronomia e os espetáculos diários.

 

  •  Ecopista do Dão

A Ecopista do Dão é uma ciclovia inaugurada em 2011, num total de cerca de 50km que liga Viseu a Santa Comba Dão, na extinta via férrea Linha do Dão, com bosques de carvalhos, paisagens de vinha e estações de comboio transformadas em petiscarias.

 

Quintas do Vinho do Dão

Instituída em 1908, o Dão é a segunda região vitivinícola demarcada mais antiga de Portugal que se localiza numa área de relevo acidentado, granítico e com grande amplitude térmica o que permite a criação de um terroir favorável à produção de uvas de excelente qualidade.

Atualmente há cerca de 20 mil hectares de vinha plantadas, escondidas numa paisagem de pinhais, giestas e silvados. Da grande diversidade das castas há a destacar a Touriga Nacional, Alfrocheiro e Jaen nas tintas, e Encruzado, Bical e Malvasia Fina nas uvas brancas. Destas uvas resultam tintos bem encorpados e aromáticos, tanto melhores quanto mais velhos são, e brancos muito aromáticos, frutados e equilibrados.

 

  • Quinta de Lemos

Localizada em Passos de Silgueiros, com uma adega própria, os vinhos que produzem são quase todos monocastas, sendo outra característica o facto de serem envelhecidos durante cinco anos até entrarem no mercado. Com 25 hectares de vinha, 3000 oliveiras e colmeias, aqui, os solos graníticos e arenosos estão na origem de vinhos de alta qualidade.

 

  • Quinta do Perdigão

Pequena quinta de agricultura familiar, com apenas 8 hectares de vinha, em modo produção biológica. É uma das mais premiadas e de maior prestígio do Dão, plantada em 1997 e só produz pequenas quantidades de vinho de alta qualidade das uvas tintas Touriga Nacional, Alfrocheiro Preto, Tinta Roriz, Aragonês e Jaen, e de uva branca Encruzado.

 

  • Quinta de Reis

Com 15 hectares de vinha, esta quinta, situada em Silgueiros, existe, há pelo menos, quatro gerações. A vinha é distribuída por várias castas: Touriga Nacional, Tinta Roriz, Jaen e uma pequena parcela de Merlot, para os vinhos tintos, e Encruzado, Malvasia-Fina e Bical para os vinhos brancos.

 

  • Quinta Vinha Paz

As vinhas localizam-se na encosta norte do Dão, a 6Km de Viseu, na localidade de S. João de Lourosa. São 15 hectares de vinha, expostas a norte-nascente. Distribuem-se por três propriedades diferentes: As vinhas da Quinta da Leira (a base da produção vitícola), Quinta da Tremoa, e as vinhas velhas da Quinta da Cruzinha. Estas vinhas, assim como a adega, são propriedade da família desde o século XVIII. As castas predominantes são a Touriga Nacional, Alfrocheiro Preto, Jaen e Tinta Roriz nas tintas. Nas brancas o destaque vai para as castas Encruzado, Malvasia Fina e Gouveio.

 

  • Quinta Chão de São Francisco

Projeto familiar iniciado em 1996, com o objetivo de produzir vinhos DOC de qualidade reconhecida. A sua história remonta ao séc. XVIII e no seu interior existe um solar beirão, antiga propriedade do Visconde de Treixedo. A vinha com 8 hectares, foi totalmente renovada em 1996 com castas Touriga Nacional, Tinta Roriz, Jaen e, mais recentemente, Malvasia Fina e Encruzado.

 

  • Quinta Pedra Cancela

Pedra Cancela é um projeto de origem familiar que congrega de várias gerações dedicadas à vinha e ao vinho do Dão. Na colheita de 2000 foi produzido o primeiro vinho Pedra Cancela, reforçando nos anos seguintes o seu estatuto como uma das marcas bandeiras da região.

Os vinhos Pedra Cancela têm origem em 75 hectares de vinha, dos quais 19 hectares com mais de 50 anos.

 

Para Ficar

  •  Quinta do Medronheiro

Numa imensa panóplia de lugares hoteleiros em Viseu, existe um que dá pelo nome de Quinta do Medronheiro, localizada em Soutulho, a cerca de 6Km do centro da cidade, um turismo rural único e imperdível, um paraíso natural inesquecível, o campo e as vinhas na sua essência mais pura, com uma envolvente natural invejável, um jardim imenso.  

Trata-se de uma antiga exploração agrícola e pecuária, adquirida em 2001 pela família Oliveira, cujas casas, algumas oriundas dos caseiros e funcionários da Quinta, outras abrigos de animais domésticos, foram transformadas num moderno e encantador hotel rural, inaugurado em 2010, inserido numa propriedade com 37 hectares, em plena Região Demarcada do Dão.

Ler Mais >

 

Para Comer

Como toda a cozinha portuguesa, a gastronomia de Viseu é muito rica e variada, com os maravilhosos vinhos do Dão a acompanhar:

– Vitela de Lafões

– Cabrito assado

– Rancho à moda de Viseu

– Arroz de carqueja

– Bacalhau à lagareiro ou assado

– Trutas de escabeche

No que diz respeito às iguarias doces, pode-se provar em Viseu:

– Castanhas de ovos de Viseu

– Leite creme

– Arroz doce

– Aletria

– Cavacas de Viseu

– Viriatos

– Rotundinhas

– Queijo da Serra

 

  • Restaurante Muralha da Sé

O restaurante Muralha da Sé, em pleno centro histórico da cidade de Viseu, apresenta uma gastronomia de regalar o paladar, com pratos típicos da região, caracterizando-se pelo equilíbrio entre o tradicional e o moderno.

O espaço está localizado numa antiga casa de granito recuperada, encostado à muralha, bem perto da Catedral de Viseu, ladeada por um magnífico jardim, que nos dias de sol se transforma em esplanada.

Ler mais >

 

Mais Informações

http://visitviseu.pt/

#Galeria

Share this post

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Sobre

Olá, somos a Carla, o Leonel, a Sofia, a Francisca, e adorámos partir à descoberta do mundo juntos!

Aqui, partilhámos os vários destinos que já visitamos, os hotéis onde ficamos hospedados e os restaurantes que experimentámos. Queremos inspirar quem nos visita, a viajar e a experimentar, pois consideramos que a vida é uma soma de experiências e uma constante procura. Nesta procura, buscamos locais, espaços, gastronomia, cultura, pessoas e, acima de tudo, a felicidade que é poder conhecer, valorizar e preservar o mundo maravilhoso que temos.

Artigos Recentes

Like Us on Facebook

Follow me on Instagram